sexta-feira, 3 de junho de 2016

Municípios com guarda municipal não poderão contratar segurança privada

 Municípios com guarda municipal não poderão contratar segurança privada
Publicado em: 03 junho 2016 por O Cão De Guarda Notícias nos Marcadores: ,

 03/06/16 - Encaminhado por Wesley Silva: A Câmara dos Deputados analisa o Projeto de Lei 4467/16 que proíbe os municípios que mantêm guarda municipal de contratarem Serviços de Segurança Privada. Veja também: Comportamento no trânsito - Flagrantes da falta de cidadania!

Segundo a proposta, de autoria do deputado Alberto Fraga (DEM-DF), a Constituição Federal já prevê a formação de guarda municipal para a proteção dos bens, serviços e instalações do município. Fraga afirma que, com a mudança, o município economizará para investir em educação, saúde, transporte, saneamento básico e moradia. “Não se apresenta conveniente, nem lógico, carrear parcela razoável do orçamento municipal para a contratação e manutenção de segurança privada, de alto custo, concorrendo com um serviço já executado pelo próprio Município, através de sua guarda municipal”, justificou.

Alberto Fraga: não é lógico contratar segurança privada para executar mesmo serviço da guarda municipal

Tramitação

O projeto, antes de ser votado no Plenário, será analisado pelas comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

ÍNTEGRA DA PROPOSTA: PL-4467/2016


GCM CLÁUDIO/LARANJAL PAULISTA/SP

domingo, 6 de dezembro de 2015

GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE LARANJAL PAULISTA PARTICIPARÁ DE PASSEATA EM PROTESTO CONTRA O USO DO CEROL NAS LINHAS DE PIPA.

GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE LARANJAL PAULISTA PARTICIPARÁ DE PASSEATA EM PROTESTO CONTRA O USO DO CEROL NAS LINHAS DE PIPA.



video

         Motociclistas e convidados se reunirão na tarde do próximo sábado (12)  no posto Bela vista(Shell) para uma manifestação contra o uso de cerol nas linhas de pipa. A "MOTOCIATA", como a passeata foi chamada, faz parte da Campanha Nacional “Cerol Não”,  tem como objetivo principal  a conscientização dos perigos dessa brincadeira assassina, bem como  distribuir e instalar antenas nas motos para evitar acidentes.
         Laranjal Paulista existe a lei proibindo o uso da mistura de vidro moído com cola. A lei municipal 2.680, de 27 de fevereiro de 2009, proíbe a venda comercial e o uso de cerol em linhas de pipas, papagaios, pandorgas e semelhantes.
No mês de julho passado, um motociclista morreu ao ser ferido por uma linha de pipa no município de Cerquilho, o motociclista foi ferido no pescoço e caiu na pista. Ele foi socorrido por uma equipe médica da concessionária que administra a via, de acordo com os socorristas, o motociclista já encontrava-se morto no momento do atendimento.

                                                                       
Laranjal vai tremer ao som dos motores e muito Rock'll.


Sábado 12 de Dezembro, à partir das 14h com saída do posto Shell.  Rua Governador Pedro de Toledo

MOTOCIATA em conscientização CONTRA o uso do Cerol, seguindo para o DECEMBER ROCK no ACKASO eventos, Rock de primeira, tocando verdadeiros clássicos, Amigos, irmãos motociclistas, motoqueiro, motoboy, juntem-se a nós nessa Causa....

 "CEROL NÃO, CORTE ESSA IDÉIA".

Foram realizadas durante todo o decorrer de 2015, nas escolas municipais do ensino básico infantil, palestras referentes ao uso do cerol, seus riscos e consequências. As palestras foram  ministradas a alunos do 3º, 4º e 5º anos e fazem parte do projeto  “Pipa Feliz... É sem Cerol” que foi desenvolvido e adaptado pelo GCM Cláudio para o público infantil laranjalense. 

Durante as palestras, ministradas pelo GCM Cláudio,  foram utilizados  vídeos  e projetores que têm a finalidade de passar o tema de forma mais lúdica e divertida às crianças, sendo ministrados temas como riscos relacionados ao cerol e à linha chilena, que é quatro vezes mais cortante que o linha com Cerol, potencializando os seus efeitos e também os riscos com o seu uso.
Atualmente, a falta de educação e orientação tanto dos pais como dos filhos, fez da brincadeira inocente de empinar pipas, um risco às pessoas que fazem uso de vias públicas, sendo os motociclistas e ciclistas as suas maiores vítimas, além do grande risco que trazem ao serem empinadas perto de linhas de transmissão de energias, pois também podem acarretar choques elétricos e rompimentos de fios.



No estado de São Paulo, o uso, fabricação e comercialização de Cerol, Cortante ou similares em linhas de pipas e papagaios são proibidos por lei devido aos seus potenciais riscos à vida e à integridade física.

Segundo o GCM Cláudio, o problema não é a brincadeira, mas sim o uso de substâncias cortantes na linha utilizada para colocar a pipa ou papagaio no céu, o que a torna um instrumento eficaz para trazer riscos às pessoas. Apesar da iniciativa da Guarda Civil Municipal em orientar as crianças sobre a forma correta de se brincar, cabe aos seus responsáveis educá-los, evitando que seus filhos façam o uso de linhas cortantes durante as brincadeiras.

Escolas e instituições que desejam ter palestras desse tema dirigido aos seus alunos e empresas podem entrar em contado com a Guarda Civil Municipal pelo telefone (15) 3283-1007. A população pode colaborar com a diminuição do uso do Cerol denunciando através do telefone 199 da GCM. 

Quem quiser receber mais orientações sobre o tema ou sobre a campanha nacional “Cerol Não”, pode acessar o site cerol.com.br.

Fonte: Guarda Civil Municipal de Laranjal Paulista.

GCM CLÁUDIO / LARANJAL PAULISTA / SP

sábado, 3 de outubro de 2015

HERÓIS

HERÓIS

Policiais. Isto mesmo. Nós temos heróis de verdade. De carne e osso. Não no cinema, na fantasia. Nós podemos vê-los. Eles usam fardas, nas ruas, e são chamados de policiais militares. Outros usam roupas pretas ou vestimentas comuns, como nós, e recebem o nome de Policiais Civis, ou Guardas Municipais. Eles estão por toda parte. Bem diante de nossos olhos. Estão prontos para nos proteger e nos ajudar, das mais variadas formas.

Uma pena que muitos de nós não os condecoramos. Sequer os reconhecemos. E ainda os maltratamos. Não raro, senhores e senhoras de fina estampa, que param em fila dupla no trânsito, revoltam-se com uma simples multa de trânsito. Algum daqueles que se intitulam dos direitos humanos os qualificam como bandoleiros; e, além disso, querem tornar simpático o criminoso. Não é difícil ver, pela televisão, grosserias e desrespeitos com nossos heróis. Até o filme Tropa de Elite, nosso cinema só retratava e glamourizava a vida bandida.

Nas escolas, alguns ainda ensinam que vivemos um Estado policial e opressor. O resultado disso tudo é ouvir a molecada falando, cada vez mais, gírias que principiaram ou são comuns na marginalidade, como mano, vida loca, bagulho e por aí vai.

Que sociedade nós queremos? Quando vamos valorizar o lado certo da eterna luta entre o bem e o mal? Por que é difícil dizer, com todas as letras, que o policial é o representante do bem? Qual a razão de embolar os conceitos? Se alguns policiais erram, por que colocar na mesma vala todos os outros? Por que, quando se prende alguém que cometeu um crime, logo aparecem alguns especialistas para falar em exclusão social, má distribuição de renda, falta de educação etc, ao invés de olharem um pouquinho para a vítima (ou seus familiares) que pode ter sido salva pelo policial?

Idolatramos pessoas distantes de nós. Jogadores de futebol, artistas ou cantores que nunca vão nos dar a mão. Sequer sabem que existimos. Elegemos tais ídolos por puro impacto visual, sensações. E mais. Compramos o que eles vendem. Contribuímos para o património deles. E desprezamos as pessoas que estão pertinho de nós. Que vão nos atender, em prontidão. Esquecemos aqueles que, realmente, amparam nossas vidas.

Definitivamente, temos que mudar o rumo das coisas. Para começar, bastam gestos simples. Um aperto de mão. Um obrigado. Faça isso, com frequência, para aquele policial que você vê ali na rua, cuidando do trânsito, vigiando, ou, na delegacia de policia. Reverencie-o com um abaixar da cabeça. Mostre a ele que você o admira e espera dele o melhor, o heroismo. E pode ter certeza que ele vai corresponder, assim que qualquer um necessitar de sua ação.

Não é fácil ser herói neste pais. Nossos policiais realizam seus heroísmos, na maior parte do tempo, contra tudo e todos. Levam pancadas aqui e ali. Chegaram ao absurdo de confrontar heróis contra heróis neste Estado, anos atrás, em cenas chocantes. E eles se levantaram, mais uma vez; talvez, pelas mãos de Deus, para cumprir suas magnificas missões. E eles estão aqui, novamente. Do nosso lado. Para nos salvar.

Sim. Nós temos heróis. São os nossos policiais. Que Deus os protejam, sempre.

Fonte:   TEXTO ESCRITO PELO JUIZ DE DIREITO

EVANDRO PELARIN

PUBLICADO NO JORNAL DIÁRIO DA REGIÃO  DE 25 de setembro de 2015

GCM CLÁUDIO / LARANJAL Pta / SP

quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Guarda Civil Municipal de Laranjal Paulista/SP está se consolidando como referência no uso da Justiça Restaurativa.

Laranjal Paulista aplica Justiça Restaurativa em escolas municipais

Divulgação/CCJ-MA
O município de Laranjal Paulista/SP está se consolidando como referência no uso da Justiça Restaurativa, um método de solução de conflitos que prima pela criatividade e sensibilidade na escuta das vítimas e dos ofensores, por meio da realização de círculos de pacificação em todas as escolas municipais. O projeto é interinstitucional e envolve o Judiciário e as secretarias de Educação e de Saúde. Os círculos são realizados pela Guarda Municipal da cidade cuja capacitação e coordenação tem o apoio da Vara de Justiça de Laranjal Paulista.
A Justiça Restaurativa concede à comunidade o poder de solucionar os seus próprios conflitos, em encontros chamados de círculos restaurativos, em que as partes são chamadas a resolver tensões sociais geradas por violências, crimes ou infrações. Sua prioridade é reparar danos, restaurar o senso de Justiça e reintegrar todos na sua comunidade. Contribuir com o desenvolvimento da Justiça Restaurativa é uma das diretrizes de gestão do CNJ para o biênio 2015-2016, cujo cumprimento resultou na instituição de grupo de trabalho no órgão para desenvolver estudos e propor medidas para contribuir com o desenvolvimento da Justiça Restaurativa no país.
Núcleo interinstitucional – Em Laranjal Paulista, de acordo com a juíza da comarca Eliane Cristina Cinto, a ideia dos círculos restaurativos na escola surgiu de um projeto apresentado pela Guarda Municipal da cidade que realizava um programa de palestras em escolas com o objetivo de prevenção contra as drogas. “Como já estava estudando sobre a Justiça Restaurativa, percebi que esse projeto poderia ser ampliado e buscamos a capacitação dos agentes da guarda municipal”, conta a magistrada. A vara destinou parte da verba pecuniária – recurso obtido com a aplicação de penas alternativas – para a aquisição de material a ser utilizado pelo grupo nas escolas, como telão, computadores e uniforme. A aplicação da verba pecuniária em projetos sociais passou a ser respaldada pela Resolução n. 154 do CNJ.
Por intermédio da Vara de Justiça, foram capacitados, em agosto, 60 facilitadores (ou guardiões) de Justiça Restaurativa, provenientes tanto da guarda quanto de funcionários de várias secretarias da prefeitura. O trabalho foi relizado pela consultora Monica Mumme do Laboratório de Convivência e a cidade passou a ser um polo irradiador de Justiça Restaurativa, reconhecido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJSP). Como resultado da capacitação, foi criado o Núcleo Interinstitucional de Justiça Restaurativa, coordenado pela prefeitura e pela vara de Justiça, que acompanham o resultado dos círculos restaurativos promovidos pela guarda municipal nas escolas.
Conflitos complexos – Os conflitos que começaram a ser solucionados por meio dos círculos envolvem não apenas a escola, mas também as famílias e, de acordo com a juíza Eliane, muitas vezes os agentes são surpreendidos pela complexidade dos problemas envolvidos. Foi o caso, por exemplo, de uma adolescente que se recusava a ir à escola e mesmo a sair de casa alegando perseguição de outra colega. Durante o círculo, os guardiões perceberam que se tratava do fim de um relacionamento amoroso entre as duas colegas e que o motivo da perseguição era que uma delas não aceitava o término do namoro. Além disso, uma das mães não aceitava o fato de a filha ser homossexual, o que estava incorrendo em ameaças à outra família. “O conflito era muito complexo e já estava quase indo parar na delegacia. Por meio dos círculos, as adolescentes e suas mães foram encaminhadas para acompanhamento psicológico e a menina voltou a frequentar a escola regularmente”, conta a juíza.
Outro exemplo recente de sucesso na aplicação do círculo restaurativo foi o caso de dois irmãos gêmeos que estavam realizando furtos dentro da escola e fora dela. “Por meio do círculo restaurativo, foi possível conscientizar a família de que os dois estavam usando drogas e entrando para o tráfico”, conta a juíza. Os adolescentes foram encaminhados para tratamento, o que foi facilitado já que a Secretaria de Saúde da cidade também é parceira do projeto. De acordo com a juíza, ainda que os conflitos surjam na escola, muitas vezes a solução está fora dela, como por exemplo por meio do oferecimento de um emprego ou um curso.
A próxima etapa dos círculos restaurativos em Laranjal Paulista será a expansão para as escolas estaduais e para unidades socioeducativas.

Luiza de Carvalho Fariello
Agência CNJ de Notícias
Fonte: http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/80554-laranjal-paulista-aplica-justica-restaurativa-em-escolas-municipais


Gcm Cláudio /Laranjal Paulista / SP

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Vandalismo orelhão público é quebrado no distrito de Maristela em Laranjal Paulista.

Vandalismo  orelhão público é quebrado no distrito de Maristela em  Laranjal Paulista.

                                                                Vandalismo atinge grande parte dos orelhões.

Os agentes da Guarda Civil Municipal Cláudio e Roseval  em patrulhamento preventivo e comunitário  no distrito de Maristela na manhã desta sexta feira, 18/09, na praça do largo Santo Antônio,  constataram que havia  orelhões danificado.
De pronta ação, os Gcms realizaram contato com a empresa responsável para a manutenção  dos aparelhos.

Para a Reflexão:
"Todo mundo, pelo menos uma vez na vida, já precisou dele em alguma situação, seja para resolver algum problema ou para conversar com alguém distante, como antigamente. Hoje, o orelhão é apenas um objeto nas calçadas das cidades brasileiras. Não diferente, os orelhões de Laranjal Paulista sofrem com o desuso, sendo depreciados, pichados e quebrados.

o crescimento de adeptos a telefones celulares, diminui a quantidade de pessoas que depende do serviço de telefonia pública.  O resultado da concorrência trouxe descaso, depredação e abandono dos telefones públicos do Estado.
Popularmente conhecidos como “orelhões”, os aparelhos diminuem a distância e facilitam a comunicação, mas os bônus das operadoras de telefones móveis ganhou a população.


“O problema é que, quando a gente precisa de um ‘orelhão’, nunca tem. E quando há algum perto, não está funcionando, e quando a gente até tem telefone público por perto e não consegue achar local para comprar os cartões com os créditos para os orelhões?”, indagou um morador do bairro, que não quis ser identificado.

Reparos


Quem faz parte da demanda do telefone público do Estado  pode enviar uma solicitação de reparo para a central de atendimento da Vivo por meio do número 10315. A chamada faz parte de um programa permanente de manutenção e a reparação de danos atende ao cumprimento do padrão de qualidade estabelecido pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).




GCM CLÁUDIO / LARANJAL PAULISTA / SP

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Guarda Civil Municipal de Laranjal Paulista em parceria com a Secretaria da Educação estão realizando Palestra Sobre os Perigos do Uso do Cerol.

Guarda Civil Municipal de Laranjal Paulista em parceria com a  Secretaria da Educação estão realizando Palestra Sobre os Perigos do Uso do Cerol.



Estão sendo realizadas em algumas escolas municipais do ensino básico infantil, palestras referentes ao uso do cerol, seus riscos e consequências. As palestras estão sendo ministradas a alunos do 4º e 5º anos e fazem parte da Campanha Nacional “Cerol Não” e foi desenvolvido e adaptado para o público infantil laranjalense pela Guarda Civil Municipal
Durante as palestras, ministradas pelo GCM Cláudio, são feitos uso de vídeos e projetores que têm a finalidade de passar o tema de forma mais lúdica e divertida às crianças, sendo ministrados temas como riscos relacionados ao cerol e à linha chilena, que é quatro vezes mais cortante que o linha com Cerol, potencializando os seus efeitos e também os riscos com o seu uso.
Atualmente, a falta de educação e orientação tanto dos pais como dos filhos, fez da brincadeira inocente de empinar pipas, um risco às pessoas que fazem uso de vias públicas, sendo os motociclistas e ciclistas as suas maiores vítimas, além do grande risco que trazem ao serem empinadas perto de linhas de transmissão de energias, pois também podem acarretar choques elétricos e rompimentos de fios.
No estado de São Paulo, o uso, fabricação e comercialização de Cerol, Cortante ou similares em linhas de pipas e papagaios são proibidos por lei devido ao seus potenciais riscos à vida e à integridade física.
Segundo a GCM, o problema não é a brincadeira, mas sim o uso de substâncias cortantes na linha utilizada para colocar a pipa ou papagaio no céu, o que a torna um instrumento eficaz para trazer riscos às pessoas. Apesar da iniciativa da Guarda Civil Municipal em orientar as crianças sobre a forma correta de se brincar, cabe aos seus responsáveis educá-los, evitando que seus filhos façam o uso de linhas cortantes durante as brincadeiras.

Escolas e instituições que desejam ter palestras desse tema dirigido aos seus alunos e empresas podem entrar em contado com a Guarda Civil Municipal pelo telefone (15) 3283-1007.  A população pode colaborar com a diminuição do uso do Cerol denunciando através do telefone 199 da GCM. Quem quiser receber mais orientações sobre o tema ou sobre a campanha nacional “Cerol Não”, pode acessar o site cerol.com.br.
Fonte: Guarda Civil Municipal de Laranjal Paulista.

GCM CLÁUDIO/LARANJAL PAULISTA/SP 

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE LARANJAL FOI UM DOS DESTAQUES NO SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE JUSTIÇA RESTAURATIVA.

GUARDA CIVIL MUNICIPAL DE LARANJAL FOI UM DOS DESTAQUES NO SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE JUSTIÇA RESTAURATIVA.



Entre os dias 20 e 21 de agosto do corrente ano a Guarda Civil Municipal de Laranjal Paulista/SP – GCM representou o município no Seminário Internacional de Justiça Restaurativa que aconteceu no Município de     Santos/SP.

O Projeto de Justiça Restaurativa iniciou-se em Laranjal Paulista por meio da Secretaria de Educação com apoio do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, com a coordenação da Guarda Civil Municipal, que já desenvolve um trabalho social no Município, denominado “Laranjal Contra as Drogas”.
Segundo os GCMs, o projeto Justiça Restaurativa possui caráter universal, podendo a metodologia ser aplicada na resolução de conflitos ou outros tipos de convivência de maneira mais humanizada, em que vítima e agressor podem se olhar de frente e com o apoio dos guardiões, devidamente capacitados, entrar num entendimento justo e humano. Explicaram ainda que a meta principal deste projeto é atuar na prevenção, evitando que o jovem cometa atos violentos. Com o apoio efetivo da comunidade esse projeto visa ainda um modelo novo de policiamento, onde os GCMs buscam dentro da comunidade resoluções simples de conflito, que faz a diferença em termos de segurança pública. Os GCMs ainda ressaltam que a segurança pública, para ser eficiente, necessita do envolvimento da comunidade.
Em Laranjal Paulista foram capacitados 65 guardiões de Justiça Restaurativa pela Consultora Monica Mumme do Laboratório de Convivência. Dentre esses guardiões existem funcionários de todas as secretarias da prefeitura.
Laranjal Paulista além de ser polo irradiador de Justiça Restaurativa, reconhecido pelo Tribunal de Justiça, também criou um Núcleo Interinstitucional de Justiça Restaurativa (Município), que é o segundo do Estado. O núcleo tem como finalidade principal articular a rede pública para que os processos circulares tenham seus combinados devidamente cumpridos.
A GCM de Laranjal é a primeira instituição de Segurança Pública do país a trabalhar com o Projeto de Justiça Restaurativa.  
Em Santos o Seminário teve como tema “10 anos de diálogos para mudar realidades”; Onze Cidades puderam compartilhar suas experiências com Justiça Restaurativa e Laranjal foi uma das cidades-destaque no evento, apresentando a Oficina “Ações da Guarda Municipal: Articulações que constroem Diálogos Sociais”.
Juízes e Promotores de todo país participaram do evento, além de palestrantes internacionais destacando James R. "Chip" Coldren, Jr., PHD, Doutor do Programa Interdisciplinar de Liderança no Departamento de Justiça da Governors University –GSU em Chicargo EUA.  Chip Coldren participou da oficina de Laranjal Paulista.
Estiveram presentes ainda autoridades do nosso município, como o Prefeito Heitor Camarim Junior, a Juíza de Direito Dra. Eliane Cristina Cinto, Secretária de Governo Dra Rosa Maria Tiveron, Antonio Carlos Salgado Filho -  Secretário de Indústria e Comércio, Secretaria Assistência Social - Jessica Leite Alves e o senhor Marcos Moreira - Comandante da Guarda Civil Municipal, além de Diretores, Professores, funcionários do Tribunal de Justiça e demais funcionários da Rede do nosso Município.
A oficina de Laranjal iniciou-se com a fala da Dra Eliane Cristina Cinto – Juíza de Direito que dispôs sobre Justiça Restaurativa; em seguida o GCM Claudio Aparecido Raimundo fez a apresentação técnica do Projeto “Laranjal Contra as Drogas” e o GCM Alexandro Pedroso de Souza finalizou relatando sobre a humanização do agente de segurança, sobre o Núcleo Interinstitucional de Justiça Restaurativa, estatística, experiências em processos circulares e Segurança Pública e Justiça Restaurativa.
O evento foi considerado um sucesso e um marco para o pais.

Fonte: Gcm Pedroso

Gcm Cláudio/Laranjal Paulista/SP